Sobre a ação

Ação de Formação

Designação da Ação de Formação

Resolvendo problemas através da tecnologia: o programa Apps for Good e a sua aplicação em contexto escolar


Objetivos a Atingir

Pretende-se formar os professores num método de ensino que tem como foco o processo de resolução de problemas de forma criativa, utilizando a tecnologia como um meio e não como um fim, de forma a conceber produtos que abordem e resolvam problemas reais. O modelo seguido pelo Apps for Good dá aos professores formandos (e consequentemente aos seus alunos) a oportunidade de desenvolverem, de forma inovadora, as suas competências.

O objetivo geral é que os formandos (professores), após a formação, sejam capazes de conduzir um grupo de trabalho de acordo com os princípios e a metodologia do Apps for Good.

Assim, no final da formação, os formandos deverão ser capazes de:

  1. conhecer o programa Apps for Good;
  2. identificar as metodologias pedagógicas que estão na base da aplicação do programa;
  3. utilizar as ferramentas e os recursos disponíveis na plataforma;
  4. conduzir as sessões de trabalho, no âmbito do projeto Apps for Good.


Conteúdos da Ação

A aplicação do Programa Apps for Good com os alunos exige, da parte dos professores, conhecimentos sobre operação da plataforma, do tipo de conteúdos do Apps for Good, e dos procedimentos a adotar, assim como do método aplicado (metodologia dos 5 passos, baseada na obra do pedagogo brasileiro Paulo Freire, que propõe uma abordagem de reflexão da realidade, identificação de problemas e movimento para a ação).

Assim, o curso de formação incidirá sobre os seguintes conteúdos:

  1. enquadramento inicial: o Programa Apps for Good e o Centro de Inclusão Digital (CDI) - contexto internacional e nacional;
  2. arquitetura de uma aplicação;
  3. planeamento e modelo de entrega;
  4. a plataforma do Programa Apps for Good: 
    • acessos; 
    • ferramentas técnicas, aplicabilidade e protótipos; 
    • apoio online - especialistas; 
     5. simulações práticas e apresentação.


Critérios de Avaliação

Os formandos serão classificados na escala de 1 a 10 valores utilizando os parâmetros de avaliação estabelecidos pela Direção-Geral da Educação e respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua.

O número mínimo de horas presenciais previstas na legislação em vigor corresponde a 2/3 das presenças.

Componente Presencial de TrabalhoPontuação
Participação nas sessões
50%
Assiduidade
20%
Esteve presente em todas as sessões de formação20
Faltou apenas a uma das sessões de formação15
Faltou a mais do que uma das sessões de formação10
Participação na realização das tarefas
30%
Participa de forma regular, pertinente e construtiva em todas as tarefas, revelando empenho no processo formativo30
Participa de forma regular e pertinente em todas as tarefas20
Participa raramente não executando todas as tarefas10
Não participa0
Trabalho de aplicação dos conteúdos
50%
Elaboração da reflexão crítica
50%
Apresenta um texto reflexivo referindo aspectos que permitam intervir sobre as prática50
Apresenta apenas um breve relato do percurso formativo25
Não apresenta a reflexão ou não reflecte sobre a experiência formativa0


Avaliação QuantitativaAvaliação Qualitativa
de 0 a 4,9Insuficiente
de 5,0 a 6,4Regular
de 6,5 a 7,9Bom
de 8,0 a 8,9Muito Bom
de 9,0 a 10,0Excelente

Comments